Yoga. Espiritualidade. Corpo.
Header

A importância (ou não!) do seu tapete de yoga

outubro 26th, 2010 | Posted by Ana Toledo in Sem categoria
manduka mat

manduka mat

Durante a semana, li dois artigos sobre o uso dos tapetes de yoga.

O primeiro foi no New York Times – Yoga onde se discute a importância e a necessidade real do tapete na nossa prática diária. O outro dizia que o tapete virou um símbolo de status dentro do segmento “yupppie” americano e criticava os preços astronômicos que algumas marcas podem alcançar.

A princípio, considerando que nunca pratiquei sobre um Manduka Mat, tendo a concordar que o valor de US$100.00 por um tapete de yoga (ou até US$ 2100.00 pelo Louis Vuitton!) não é lá muito razoável. Mas eu não seria tão radical a ponto de abolir o tapete da minha prática.

Motivos para usar o tapete de yoga

Vejo o tapete, especialmente quando somos iniciantes, como um acessório importante. Além de facilitar o alinhamento, ele oferece maior aderência, conforto, segurança e higiene (se você tiver o seu, é claro!).  Na medida que avançamos na prática e controlamos com maior clareza as ações dos asanas, tornando-os então mais estáveis e equilibrados, podemos prescindir do tapete…

Nos lugares aonde tenho ido praticar, não senti essa competição entre marcas “fashion” de tapetes. Nem aqui, nem lá fora. É possível, no entanto, que algumas linhas de Yoga abram mais espaço para essa comparação naturalmente por promoverem a transpiração excessiva de seus praticantes, fato que talvez torne a qualidade do tapete item fundamental e digno de vultoso investimento.

Porém, às vezes, é simplesmente difícil resistir ao impulso consumista…

Vou contar uma historinha sobre um dos meus primeiros tapetes. Há anos atrás, fiz uma aula no Jivamukti em Nova York. Lá chegando, vi um tapete lindo! Era de um tom coral maravilhoso, continha fibras naturais em sua trama, bem espesso e fofinho. Não resisti e acabei comprando o maior de todos.

Depois que aqui cheguei, comecei a praticar com ele. Notei que escorregava um pouco, mas eu insisti. Afinal, como eu poderia dispensar um tapete que havia comprado em Nova York?!

Sendo o meu tapete habitual de prática, levei-o para um workshop de Iyengar Yoga com a professora Gabriela Giubilaro. Justo sobre ele a professora Gabriela começou uma explicação sobre Adho Mukha Svanasana. Assim que ela iniciou a postura, exclamou: “Que tapete horrível! Você deveria jogá-lo no lixo! Como escorrega!” e foi fazer a postura no tapete simples e comum do vizinho.

Moral da história: bem, como o objetivo deste blog não é dar lição de moral para ninguém, que cada um tire (ou não!) a sua…

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 Both comments and pings are currently closed.