Yoga. Espiritualidade. Corpo.
Header

Confira os cursos de Iyengar Yoga em 2012

abril 19th, 2012 | Posted by Ana Toledo in Sem categoria - (Comentários desativados em Confira os cursos de Iyengar Yoga em 2012)


Nossa página de CURSOS acabou de ser atualizada.

Confira os cursos e workshops de Iyengar Yoga que acontecerão em breve em todo o Brasil.

Purusa e Prakrti

abril 17th, 2012 | Posted by Ana Toledo in Sem categoria - (Comentários desativados em Purusa e Prakrti)

Em um artigo recente, “abhinivesa e o apego à vida“, mencionei esses dois fundamentais elementos da filosofia do Yoga. Assim, acredito que uma concisa explicação sobre eles se fez necesária.

Purusa é “a coisa em si”, a consciência individual suprema e mais sutil. Como diz Vyasa, sábio hindu e primeiro comentarista dos Yoga Sutras, purusa é imutável, sem ação; é o sujeito e a dor somente pode residir como objeto (a dor é um objeto de experiência).

Prakrti existe com o propósito ou da liberação ou da experiência para Purusa (Yoga Sutras de Patanjali, II.18). O propósito da liberação é dissociar purusa de prakrti. Prakrti manifesta-se por intermédio dos gunas (qualidades primordiais da natureza – sattva, rajas e tamas). Tudo que conhecemos é prakrti, inclusive nossa mente.

Enquanto, para nós ocidentais, há a visão clássica dualista de diferenciação e contraposição entre mente e matéria, no Yoga, a mente também faz parte dos elementos materiais, aos quais temos acesso. Corpo e mente são  manifestações menos ou mais sutis, respectivamente, dos gunas e objetos de estudo há milhares de anos.

Fonte: “Light on the Yoga Sutras of Patanjali” de Edwin Bryant

 

 

Prof. Inga Gretzov no Rio em junho de 2012

abril 16th, 2012 | Posted by Ana Toledo in Sem categoria - (Comentários desativados em Prof. Inga Gretzov no Rio em junho de 2012)

É com imenso prazer que publico este artigo. Sou super fã da professora de Iyengar Yoga Inga Gretzov. Se você não a conhece, não perca esta chance. Se já a conhece…bem, então, certamente irá fazer o curso.

Data: de 07 a 10 de junho de 2012, de 10h às 18h

Local: Centro Iyengar Yoga Katia Dacosta

Infos: (21) 2246 4028 ou contato@centroiyengaryogario.com.br

 

Ativismo quântico e criatividade com Amit Goswami em SP

abril 12th, 2012 | Posted by Ana Toledo in Sem categoria - (Comentários desativados em Ativismo quântico e criatividade com Amit Goswami em SP)

No dia 05 de maio, será realizado um encontro com o físico quântico indiano Amit Goswami com o tema “Ativismo quântico e criatividade”.

O cientista propõe, ao contrário da visão materialista corrente, que o novo pardigma da ciência seja construído sobre a consciência e não mais sobre a matéria. Segundo Amit Goswami, o universo que experimentamos e compartilhamos é uma dentre inúmeras possiblidades escolhidas pela consciência.

No premiado documentário “O Ativista Quântico“, Amit Goswami compartilha conosco sua visão do potencial ilimitado da consciência como a base de toda existência, e de como essa revelação pode nos ajudar a viver melhor.

O encontro acontecerá no Instituto Aleph em São Paulo, de 9h30 às 17h00.

Imperdível para quem está em São Paulo! Para os que irão, não deixem de passar por aqui depois e compartilhar suas impressões…

abhinivesa – o apego à vida e o medo da morte

abril 10th, 2012 | Posted by Ana Toledo in Sem categoria - (Comentários desativados em abhinivesa – o apego à vida e o medo da morte)

O apego à vida ou abhinivesa

Humanos que somos, o medo da morte ou o apego à vida (abhinivesa) são sensações tão inerentes à nossa natureza quanto a fome ou o sono. Instinto estabelecido de autopreservação, inato e consequência da ignorância suprema (avidya), segundo Patanjali (Yoga Sutras – Capítulo II).

Vontade de viver…

Se a vida é a manifestação da vontade em si, o medo da morte seria o medo da extinção do nosso suposto poder de realização, ainda exíguo e frágil que seja. O que mais nos causa temor do que a impotência?

Schopenhauer e a Vontade

Para enriquecer o pensamento, leia um texto que faz referência ao filósofo alemão Schopenhauer retirado do blog Biografias – vida e obra de personalidades. Sua ligação com o Hinduísmo e o Budismo fica clara após essa leitura.

Reparem que a “vontade” para ele é sinônimo da “coisa em si”, de essência daquilo que age ou que existe…fazendo um paralelo com o que estudamos, não poderíamos considerá-la análoga a purusa e não seria prakrti, assim, a materialização dessa vontade?

A Vontade

Para descobrir a “coisa em si”, Schopenhauer voltou sua atenção para o próprio homem, que também é uma coisa no universo. É verdade que o homem somente pode conhecer seu corpo como fenômeno, como aparência, segundo o tempo e o espaço e as categorias. Porém, voltando-se para o seu interior, já não precisa de tempo nem de espaço para sua consciência. Esta é atemporal e pontual. A vontade, por sua vez, representa o querer viver, é o querer realizar-se. A vontade é uma coisa em si mesma, irredutível a qualquer outra coisa, sem causa, independente do tempo e do espaço, e das categorias.

A vontade não se desloca e se extingue passando da coisa desejada para a coisa conquistada, a vontade quer sempre, é avassaladora, é sem sentido. Toda a vida é sofrimento porque é um constante querer eternamente insatisfeito, que leva ao amor, ao ódio, ao desejo ou à rejeição. Para Schopenhauer a Vontade estava presente no mundo como se fosse a própria alma do universo, e era a força total pela qual o mundo existia e se movia. Ele fez da vontade um ser à parte, que se manifestava em toda a natureza como o substrato de todas as coisas. A vida é a manifestação da vontade. Schopenhauer considera como materialização, realização em força ou materialização da vontade, todas as forças e objetos da natureza como a gravidade, o magnetismo, os instintos animais, as forças de reação química, etc.

Schopenhauer elimina Deus, e em seu lugar coloca uma “vontade universal” que é a força voraz e indomável da própria natureza. A vontade aqui nada tem a ver com a decisão racional por uma opção de agir, mas trata-se de um ser absoluto, essência primeira, a coisa em si, o noumeno, que é irredutível e gera todas as coisas deste mundo, Essa fome insaciável da Vontade faz o mundo anárquico e cruel. Essa vontade, que é também um substrato, a coisa em si, no homem, é responsável pelos seus apetites incontroláveis. Ao final o homem encontra a morte, o golpe fatal que recebe a vontade de viver, como se lhe fizesse a pergunta: Você já teve o bastante?

– blog Biografias

 

 

 

 

A fome e a sede de Deus

abril 5th, 2012 | Posted by Ana Toledo in Sem categoria - (Comentários desativados em A fome e a sede de Deus)
Inspirada pela grande celebração da comunhão pelos católicos, compartilho com vocês uma reflexão de Aldous Huxley…
Uncontrolled, the hunger and thirst after God may become an obstacle, cutting off the soul from what it desires. If a man would travel far along the mystic road, he must learn to desire God intensely but in stillness, passively and yet with all his heart and mind and strength. – Aldous Huxley
Descontrolada, a fome e sede de Deus podem se tornar um obstáculo, destacando a alma daquilo que ela deseja. Se um homem quiser viajar longe ao longo da estrada mística, ele deve aprender a desejar Deus intensamente, mas em silêncio, passivamente e ainda com todo o seu coração, mente e força. – Aldous Huxley

“O Deus que respira – viagem à origem do Yoga moderno” é o título do filme alemão, recentemente lançado, do diretor Jan Schmidt-Garre.

Nele, o diretor aponta sua curiosidade para o Yoga e seu país de origem. Utilizando algumas imagens clássicas como moldura, e produzido inteiramente na Índia para a telona, o olhar ocidental se abre para uma incomum Índia, com suas cores exuberantes e celebrações sagradas, Gurus e toda a sua magia.

“O Deus que respira” apresenta imagens de Krishnamacharya, Pattabhi Jois, seu pupilo, que morreu durante as filmagens, bem como de BKS Iyengar.

A linda foto acima é uma das belíssimas imagens que o diretor conseguiu captar neste elogiado trabalho.

httpv://www.youtube.com/watch?v=Rkm7PrFGzGs